theme ©
Aos quinze anos, tudo é infinito.
i really love you.
+

Feliz dia do “me empresta a borracha”, “me empresta o celular que to sem credito”, “cade a comida dessa casa”, “pede tu pra minha mãe que ela deixa”, “vê se ta sujo”, “me da uma bala”, “compra que depois te pago”, “era pra rir?”, “não olha agora, eu falei que não era pra olhar”, “vou dormir na tua casa amanha”, “me da uma carona”, “se minha mãe perguntar eu dormi ai ontem”, “coloca meu nome no trabalho pelo amor de Deus”, “parabéns viado”, “chamada a cobrar para aceitá-la continue na linha…”, “me da uma mordida desse sanduíche”,” vid4 lok4”,”se arruma, to chegando ae”, “meu pai leva sua mãe busca”, “ta tao bonito(a) que nem parece tu”, amigo.

Quando você ama, tenta demonstrar de alguma forma. Do jeito errado, do jeito certo, sem jeito, do seu jeito, mas tenta.
Caio Fernando Abreu.  (via n-o-v-o-h-e-r-o-i)
É tudo muito dramático e coisa e tal, mas e daí? Gente que eu não conheço morre o tempo todo. Se eu surtasse toda vez que uma coisa ruim acontecesse no mundo, ia acabar completamente pirado.
— Cidades de Papel (via repouse)

Se dependesse de mim, nem da cama eu saía.

Tem gente que pede socorro fazendo silêncio.
A Menina que Colecionava Borboletas  (via nobroke)
Ela me mudou. Acendi um cigarro e cuspi no regato. “Você não pode me mudar e depois ir embora”, disse para ela, em voz alta.
Quem é você, Alasca?   (via scripturas)
THEME ©